Se tem retorno sem vacina, tem greve pela vida!

Se tem retorno sem vacina, tem greve pela vida!

Durante coletiva de imprensa direção estadual afirmou que haverá paralisação total das atividades nas escolas que convocarem retorno às aulas sem a imunização dos educadores

Após o anuncio do retorno gradual das aulas presenciais feito nessa terça-feira (04) pelo governador do Estado, a APP-Sindicato organizou uma live para informar sobre os riscos do modelo híbrido neste momento da pandemia. O encontro virtual, marcado para às 10h desta quarta-feira (05) contaria com a presença do cientista do Instituto Nacional de Pesquisas (Inpe), Lucas Ferrante. No entanto, o pesquisador teve problemas de conexão e não foi possível a participação.

A direção estadual da APP-Sindicato reforçou que defende o retorno presencial, mas que é necessário um ambiente seguro para categoria e para os(as) estudantes. “O governo do Estado nega os riscos da pandemia e coloca vida de professores, funcionários de escola e estudantes em risco. Ontem tivemos acesso à rede municipal de Rio Bonito do Iguaçu, que já voltou às aulas e agora passa por um surto de contaminação entre os professores e as crianças. Essa história que criança não é vetor de contaminação não é verdadeira”, afirma a secretária Educacional da APP-Sindicato, professora Walkiria Mazeto.

“A APP-Sindicato é contrária a forma como está sendo feito este processo e afirma que haverá greve caso professores e funcionários sejam obrigados a permanecerem nas escolas sem terem tomando as duas doses da vacina”, reforça o presidente da APP-Sindicato, professor Hermes Silva Leão. Outro agravante já denunciado pela APP-Sindicato, é que uma parcela considerável das escolas públicas da rede estadual estão sem internet, o que inviabiliza a transmissão ao vivo em tempo real proposta no modelo híbrido. A categoria não tem equipamentos adequados (já denunciamos aqui a qualidade das máscaras e outros equipamentos de proteção que chegam às escola).

O Sindicato reforça a defesa que é preciso pautar a conduta e ações em estudos científicos que coloquem a  estadia e a nas escolas, como sendo um ambiente de segurança. “E segurança passar pela imunização dos(as) profissionais de saúde. É sabido que a imunização ocorre após 15 dias após a imunização das vacinas. Não há, neste momento no Paraná, professores que receberam a segunda dose”, reforça Hermes.

Haverá, nesta quinta-feira (06) às 18h, uma plenária onde serão apresentados os dados da pesquisa realizada pelo INPA sobre a pandemia no Paraná e debatida a importância de um lockdown em todo o Estado como medida de contenção da pandemia. Você que é mãe, pai, estudante ou profissional da educação da rede estadual e da rede municipal, está convidada(o) para ouvir o que o cientista tem para nos falar sobre isso.

Acesse o link e se inscreva! A plenária será on-line e os inscritos receberão o link de acesso no seu contato pessoal cadastrado.

Link para inscrição: http://bit.ly/plenaria_06maio

Leia também:

Contradições marcam coletiva do governo sobre retorno presencial das aulas