APP-Sindicato realiza mobilização durante encontro de diretores(as) em Curitiba

APP-Sindicato realiza mobilização durante encontro de diretores(as) em Curitiba

Durante o ato, os(as) dirigentes cobraram que seja respeitada a lei para eleição de diretores(as) de escola e cobraram a retirada do projeto que ataca as licenças especiais

Foto: APP-Sindicato

Na tarde de terça-feira (03), dirigentes da APP-Sindicato promoveram um ato durante o II Seminário de Diretores(as) das Escolas Estaduais em Curitiba. O encontro foi convocado pela Secretaria de Estado da Educação e Esportes (Seed) e contou com palestras, relatos de projetos de escolas e retorno da Seed sobre solicitações de diretores(as), levantados no primeiro encontro, no início do ano.

Os(as) dirigentes do Sindicato promoveram durante o início do evento uma panfletagem, onde foram distribuídas cópias da carta direcionada aos(as) diretoras(as) de escola e cobraram do secretario da pasta, Renato Feder, o cumprimento da pauta da educação. A APP-Sindicato reforçou no ato que as eleições devem seguir a lei estadual nº 18.590/2015, onde estabelece a garantia da liberdade de escolha da comunidade escolar. A APP-Sindicato também cobrou o secretario da pasta sobre o fechamento de escolas, que estão sendo proibidas de realizar matrículas para o 6º ano do Ensino Fundamental e 1º ano do Ensino Médio, para que seja encerradas as atividades nas respectivas unidades.

“Nós realizamos uma manifestação na abertura do encontro de diretores(as), organizado pela Seed, onde entregamos um documento aos(as) diretores(as) e aos(as) organizadores da atividade. Na carta, nós denunciamos o processo de mercantilização da educação pública no Paraná e defendemos a autonomia das escolas. No dia de hoje aproveitamos também para conversar com os(as) diretores(as) sobre a nossa defesa de que seja mantida a lei da eleição de diretores(as). Entendemos que seja necessário que haja um processo de eleição neste final”, destaca o presidente da APP-Sindicato, Hermes Leão.

Durante a mobilização, os(as) dirigentes sindicais protestaram contra a proposta do governo Ratinho Jr., que tem como objetivo atacar as licenças especiais. No texto, o governador pretende retirar dos(as) servidores(as) o direito ao afastamento de três meses que pode ser feito a cada cinco anos trabalhados. Vale destacar que a licença especial não é um benefício, mas sim, um direito dos(as) servidores(as) concursados(as).

“Reforçamos a denúncia desse ataque do governo Ratinho Jr. às licenças especiais. Um projeto de lei que foi enviado sem debater com os(as) servidores(as), sem debater com a nossa categoria e desrespeitando inclusive os compromissos assumidos durante a greve realizada no mês de julho. Então foi uma atividade importante, em que nós registramos mais uma vez a nossa defesa da escola pública, enquanto denunciamos esses ataques aos direitos. Demonstramos também o descontentamento generalizado que está colocado para dentro das escolas”, enfatiza o presidente da APP-Sindicato.