APP-Sindicato lança campanha em defesa da escola pública

Ideia central da campanha visa destacar a importância de todos(as) que fazem parte de uma escola pública de qualidade

Para lutar por uma educação pública de qualidade e oferecer uma aprendizagem que respeite a diversidade e vivência dos(as) estudantes, é necessária a força de cada um dos(as) diversos profissionais que trabalham na Escola Pública. Visando representar esta força, a APP-Sindicato iniciou uma nova campanha: “Nem precisa quebrar a cabeça para fazer uma escola pública de qualidade”.

A ação auxilia o Sindicato e profissionais da educação a conscientizar a categoria, a comunidade escolar e estudantes sobre o avanço dos ataques à Escola Pública, como o aprofundamento de políticas de cortes, terceirizações e ataques a direitos dos(as) profissionais. A campanha faz a defesa e valorização dos(as) servidores(as), fortalecimento da escola pública, aumento do investimento dos recursos públicos na educação pública, respeito ao direito de escolha das comunidades escolares e autonomia para estudantes.

Segundo o presidente da APP-Sindicato, Professor Hermes Leão, o símbolo da campanha (o quebra-cabeças), demonstra que uma escola pública só se alcança se todas as peças estiverem em total consonância. 

“Se um(a) professor, professora estiver com a saúde mental abalada, com direitos sendo retirados, logo estará mais longe de somar forças para construir uma educação forte. Da mesma forma que é importante reconhecer Funcionários de escola, que hoje são ameaçados pelo governo Ratinho Jr. Uma escola só será forte com a união de educadores, comunidade escolar e estudantes. Assim poderemos lutar por uma educação que liberta”, destaca Hermes Leão.

Hermes Leão enfatiza também que é importante reforçar todo o trabalho feito pela categoria. “Tanto agora, quanto pós pandemia, devemos reforçar nosso trabalho de busca por investimento na educação, por valorização de Professores(as) e Funcionários(as) de Escola e também no reconhecimento da sociedade da importância da busca do conhecimento por parte das novas gerações. Nós precisamos cuidar, pois não queremos uma educação mercantilizada, submetida a essas plataformas de qualidade duvidosa e extrema insegurança nos dados de alunos(as) e servidores(as) em geral”

Entre os eixos da campanha estão a Saúde dos trabalhadores(as), a luta contra a extinção de cargos e terceirizações de Funcionários(as) de Escola, a luta pelo aumento de investimento na educação pública, com valorização dos(as) servidores(as), manutenção e ampliação de direitos, melhoria na estrutura das escolas e luta contra a reforma da previdência, principalmente o aumento do desconto para aposentados(as).

Manifesto por uma Educação Humanizadora

Além da campanha, a APP-Sindicato elaborou um novo manifesto, onde destaca a necessidade de maior cuidado com a educação pública em tempos de pandemia. No documento, o Sindicato enfatiza a necessidade de lutar contra políticas educacionais que excluem estudantes e acentuam a desigualdade social.

O maior exemplo de políticas que aumenta a exclusão de alunos(as) da rede pública é o Ensino a Distância (EaD), instituído pela Secretaria de Estado da Educação (Seed). O modelo não leva em consideração as particularidades de cada estudante (seja ele da periferia ou do campo) e oferece ferramentas, das quais muito não tem acesso, seja por conta da falta da rede de internet ou ferramentas tecnológicas (como celulares e computadores). A APP-Sindicato defende que uma solução seja estudada, escutando os(as) profissionais da educação e pensando em uma reorganização do ensino.

Confira aqui o manifesto na íntegra:

Manifesto_Ead_APP_Sindicato

Assista aqui a live de lançamento da Campanha:


::Confira mais sobre o tema:

:: APP-Sindicato intensifica luta pela reorganização das aulas na rede estadual
:: APP-Sindicato orienta diretores(as) sobre registro de frequência dos(as) professores(as)
:: Conselho Estadual de Educação autoriza EaD (Atividades não presenciais) até para educação infantil
:: Empresa que desenvolveu o aplicativo “Aula Paraná” é alvo de denúncia
:: Deputados(as) pedem investigação sobre coleta de dados pessoais no aplicativo Aula Paraná
:: Aplicativo Aula Paraná recebe nota 1,5 e é reprovado por estudantes