Perseguição política em Serranópolis do Iguaçu

Perseguição política em Serranópolis do Iguaçu


null

Do NS Foz do Iguaçu

 

Os trabalhadores em educação de Serranópolis do Iguaçu (professores e funcionários de escola) estão sindicalizados na APP desde julho de 2011. Nesse período, a organização desses trabalhadores conquistou a aprovação do Plano de Carreira dos Professores e está lutando pela criação de um Plano de Carreira para os Funcionários de Escola.

Além dessas reivindicações, os educadores lutam pelo cumprimento da Lei do Piso: reajuste de 7,99%, retroativo a janeiro, para os professores, 33% de hora-atividade e reposição salarial para todos os servidores municipais, ainda neste mês de junho, data-base do funcionalismo municipal. Durante este ano, a comissão de negociação realizou duas reuniões com o prefeito, Luiz Carlos Ferri, para tratar destes itens.

Na primeira reunião, prefeito se comprometeu em alterar a data-base para janeiro, para dar um reajuste de 8% a todos os servidores municipais. Já na segunda reunião, Ferri alegou que houve uma queda na arrecadação do município e, por isso, não poderia reajustar os salários de nenhum servidor. Contudo, ele se comprometeu a enviar à APP os dados financeiros do município para que o Sindicato pudesse acompanhar a situação. No entanto, ao solicitar por ofício as informações, a APP recebeu como resposta do Executivo que por ser uma “entidade estranha à municipalidade” não tinha direito a tais informações – como se não fosse dever da Administração dar acesso a dados de interesse público.

Diante disso, os educadores, cansados de tanto descaso por parte da prefeitura, resolveram se mobilizar organizando uma panfletagem e um ato público na sexta-feira (21), a partir das 17h30, em frente à Escola Municipal Serranópolis do Iguaçu.

Os manifestantes distribuirão panfletos aos pais, alunos e comunidade, denunciando o descaso do governo municipal com os educadores e pedindo o apoio da população à luta por melhores salários e melhores condições de trabalho. Isto porque o prefeito, além de não cumprir a Lei do Piso e a data-base dos servidores municipais, resolveu perseguir os dirigentes da APP-Sindicato no município. No final da tarde de ontem 18, uma funcionária da Escola Municipal, membro da Comissão de Negociação da APP, recebeu uma portaria que determinou sua transferência para a Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente.

O Núcleo Sindical de Foz do Iguaçu repudia a atitude autoritária do prefeito Luiz Carlos Ferri e de seu secretário de Administração, Planejamento e Finanças, Arno Demarchi, que fere o direito da livre associação profissional ou sindical, previsto nos artigos 8º e 37, inciso VI, da Constituição Federal.

A APP levará o caso ao Ministério Público do Trabalho e à Justiça.

Isso vai fechar em 5 segundos

MENU