Entidades de movimentos sociais realizam ato "Menos Juros Mais Desenvolvi

Entidades de movimentos sociais realizam ato “Menos Juros Mais Desenvolvi


null

18/06/2008 – A secretária de Políticas Sociais da APP-Sindicato, Silvana Prestes, será uma das três pessoas que representarão o Paraná no ato que acontecerá amanhã (19), às 10 horas, em Brasília. A Manifestação “Menos Juros Mais Desenvolvimento”, organizada pela Coordenação dos Movimentos Sociais (CMS) – composta por diversas entidades dos movimentos sociais entre elas a CUT, MST, Marcha Mundial de Mulheres e UNE – será, entre outros, pela diminuição da taxa de juros e da geração de empregos que garanta justiça social. Os manifestantes se concentrarão em frente ao Banco Central (Setor Bancário Sul, Quadra 3). Na Praça da Bandeira, também haverá o ato: “Contra o Imperialismo em Solidariedade ao Povo Cubano”.
Em defesa do Brasil e do povo brasileiro, a CMS vai às ruas amanhã e faz manifestação em frente ao Banco Central por: menos juros e mais empregos por uma reforma tributária que garanta justiça social; por uma reforma agrária que dê terra a quem nela mora e trabalha; por uma reforma urbana que garanta moradia digna à população de baixa renda e combata à especulação imobiliária; por uma reforma educacional, que amplie o financiamento público e amplie a democracia e qualidade do ensino; por uma reforma política que aprimore e fortaleça a participação popular, colocando o povo como protagonista da sua própria história; e da democratização dos meios de comunicação, que em nosso país têm cada vez mais confundido liberdade de imprensa com liberdade de empresa, manipulando, mentindo e criminalizando os movimentos sociais.
O protesto também cobra mais recursos para a saúde, habitação, educação, reforma agrária e urbana. De acordo com os manifestantes, os juros estratosféricos elevaram, em março, a dívida líquida do setor público para R$ 1.141,3 bilhões (41,2% do PIB), ou seja, quanto mais o país paga, mais deve.
Como bem demonstra o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o caminho do desenvolvimento é outro. Passa pelo fortalecimento do papel indutor do Estado, pela garantia de contrapartidas sociais para os investimentos com recursos públicos, pela indução do crescimento com geração de emprego e distribuição de renda.

Além deste ato político, os manifestantes participarão, no mesmo dia, a partir das 15hs, do ato “Contra o Imperialismo em Solidariedade ao Povo Cubano”, que será realizado na Praça da Bandeira, atrás do Congresso Nacional e em frente ao Palácio do Planalto.
Com informações da CMS

MENU