20 de Novembro: construção da história e respeito à cultura afro-brasileira

20 de Novembro: construção da história e respeito à cultura afro-brasileira

APP-Sindicato debate o tema com seus(suas) funcionários(as) nesta manhã (20)

Fotos: APP-Sindicato

Conscientização e respeito são as palavras essenciais para homenagear o dia 20 de Novembro – Dia da Consciência Negra. Nesta manhã de terça-feira (20), para marcar a data, a APP-Sindicato promoveu um debate que envolveu temas como o racismo institucional, a história da construção do racismo no Brasil, além da Lei 10.639/03, que instituiu o ensino de história e cultura afro-brasileira nas escolas.

A lei significou um passo importante no combate ao racismo, ao colocar no currículo partes apagadas da história nacional e da humanidade. Pela lei, deve-se ensinar história do continente africano e sua influência na história da humanidade, além da cultura afro-brasileira e suas contribuições para a sociedade brasileira.

O secretário de Promoção e Igualdade Racial e Combate ao Racismo da APP, professor Luiz Carlos dos Santos, explica que a legislação e sua implementação no estado do Paraná deram-se pela criação das equipes multidisciplinares nas escolas através da luta da APP juntamente com o movimento social negro e com o Ministério Público. A efetivação, formação e monitoramento dessas equipes se dá pelo Departamento de Diversidade que precisa estar bem estruturado tanto na Secretaria de Estado da Educação (Seed), nos núcleos regionais de educação e secretarias municipais de educação para que de fato isso aconteça na prática.

“A nossa luta é para que essa implementação seja feita de maneira mais eficaz. Hoje temos uma carência dessa implementação principalmente na rede municipal. A APP tem um processo de formação e abordamos a temática dessa lei, que é de obrigatoriedade da União, do Estado e dos municípios. Precisamos criar as equipes multidisciplinares estruturadas com equipes de diversidade para que possam fazer esse acompanhamento nas escolas. A implementação significa fazer o debate étnico racial nas escolas e falar da cultura e da história afro-brasileira e africana”, comenta Luiz Santos, destacando que no Paraná já ocorreram avanços quando, por exemplo, existia uma equipe maior de multidiversidade dentro da Seed e o Encontro Estadual de Educadores(as) Negros(as), que era uma importante ferramenta formativa para a realização desse trabalho.

Agenda da APP

– Dia 30, próxima sexta-feira, atividade de encerramento com o secretário da APP, Luiz Carlos dos Santos.

– 25 de novembro a 10 de dezembro, 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher.

Vale lembrar

O espaço está aberto para as escolas enviarem aos seus Núcleos Sindicais o material e as atividades que estão sendo realizadas nas escolas que abordam o tema da Consciência Negra.

MENU