20 de maio é dia das pedagogas e dos pedagogos

Profissionais que estão na luta pela defesa da qualidade da educação, mas ainda há muito o que batalhar pela valorização do segmento

Coletivo de pedagogas e pedagogos da APP-Sindicato na luta pela valorização da profissão

A data, celebrada anualmente o trabalho das(os) educadores(as) responsáveis por auxiliar na educação, formação e aconselhamento dos(as) estudantes, no planejamento pedagógico escolar e nas questões de aprendizado, comportamento e convivência que envolve os educandos(as) e suas famílias.

Um trabalho amplo e por isso que precisa ser desenvolvido com atenção, conhecimento, empatia e minuciosidade. Para marcar a data, a APP-Sindicato, conversou com duas representantes deste importante segmento da categoria.

A coordenadora do departamento de Pedagogas(os) da APP, Aline Carissimi elenca alguns dos problemas do cotidiano escolar. “A formação continuada deixa muito a desejar. A jornada do pedagogo opera em  um descompasso com o tempo do aluno e do professor, o que dificulta o acompanhamento das atividades realizadas em sala, na hora-atividade e no atendimento aos estudantes e familiares. Temos também um excesso de burocracia para a verificação e preenchimento do RCO [registro de classe online].  Material e internet hoje nas escolas são outros aspecto que deveriam ser  facilidades, mas  que deixam e muito a desejar nas escolas. Atividades tão essenciais para auxiliar desempenho estudantil”, avalia. Ouça a entrevista na integra aqui

A professora e pedagoga Marlei Fernandes de Carvalho, vice-presidente da CNTE,  enviou uma  avalia a  lutas das pedagogas e pedagogos paranaenses na busca de uma educação pública de qualidade “É preciso retomar a perspectiva pedagógica, a perspectiva solidária de trabalho coletivo no interior das escolas, por isso é preciso restabelecer o direito a hora-aula para todos os profissionais, mas principalmente para nós pedagogos. E também realizar um amplo trabalho do que é de fato o trabalho pedagógico no interior das escolas. Não estamos nas escolas para substituir professor, mas para organizar o trabalho pedagógico necessário no dia a dia e no planejamento escolar. A luta da APP e da CNTE permanece na defesa na luta do trabalho pedagógico, em defesa da escola pública e da qualidade do nosso trabalho e, neste momento tão crítico, em defesa da democracia e do povo brasileiro”,  garante Marlei.  Ouça a entrevista na integra aqui.

Reconheça o trabalho e parabenize as(os) profissionais de pedagogia da sua escola. Pois, no Paraná, ser pedagogo(a) hoje, representa um desafio além do profissional: por aqui é preciso mostrar ao governo a necessidade de cumprir a lei que os(as) reconhece enquanto professores(as) e, assim, fazer valer os direitos à jornada contada em hora-aula e também no respeito ao direito à data-base.

“Desejo que todos nós possamos superar esses desafios com muito debate, reflexão e olhando para o nosso trabalho como importante para o andamento da qualidade educacional”, salienta Aline Carissimi.