Sindicato orienta sobre pagamentos da Ação CLT e tentativas de golpe

APP-Sindicato atualiza informações sobre os pagamentos e orienta professores sobre tentativas de golpe

A APP-Sindicato tem registrado denúncias de aposentados(as) relatando terem recebido ligações telefônicas pedindo dados pessoais e o depósito de um sinal para que o Ministério Público ou o Ministério do Trabalho libere o pagamento da Ação CLT. O Sindicato alerta que esse tipo de contato é golpe e reitera que, para quem fez adesão ao acordo direito pelo Sindicato, os pagamentos são realizados exclusivamente pela APP-Sindicato, após o processamento das listas dos(as) beneficiários(as) pelo Judiciário.

A secretaria de Assuntos Jurídicos do Sindicato destaca ainda que nenhum pagamento será feito pela Justiça diretamente ao professor(a) e orienta desconfiar de todo e qualquer contato, seja telefônico, por e-mail ou carta, que pede depósito em dinheiro antecipado para ter direito a receber valor de indenização declarada pela Justiça.

O Sindicato já realizou mais de oito mil pagamentos, do total de mais de 10 mil professores(as) que fizeram a adesão ao acordo até março de 2018. A operação bancária é feita em lotes e, diferente das transações individuais, o prazo para o banco efetivar a transferência, após o envio do lote, é de dois a quatro dias úteis.

Desse montante, aproximadamente mil remessas voltaram por inconsistência nas informações fornecidas ao Sindicato, como dados preenchidos de maneira incorreta, principalmente o número da conta ou da agência bancária.

Para resolver essa situação, o Sindicato tem feito a checagem individual de cada processo. Até o momento, mais de 300 já foram corrigidos. Várias pessoas que estão no grupo com inconsistência também entraram em contato com o Sindicato para correções. Os demais serão contactados em janeiro de 2019.

Segundo a secretaria de Assuntos Jurídicos, para efetivar as correções com os devidos cuidados, está sendo feita uma criteriosa verificação de dados, o que requer tempo e dedicação. Devido a isso, é importante que quem estiver nessa situação aguarde as verificações que estão sendo feitas. Todos(as) receberão os seus créditos.

Ainda há um grupo, aproximadamente 2 mil pessoas, que receberá somente após o retorno do recesso judiciário, que teve início dia 20 de dezembro e se encerra em 20 de janeiro de 2019. Os valores destes(as) beneficiários(as) ainda não foram repassados para o Sindicato.