Por uma educação libertadora, #elenão

Em defesa da educação pública, de qualidade para todos(as) e para uma sociedade justa e igualitária, #elenão!

Levar a educação brasileira ao atraso é uma das ameaças contidas no plano de governo do candidato à presidência, Jair Bolsonaro (PSL), quando ele promete “expurgar a ideologia de Paulo Freire”.

De acordo com o documento, disponível no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o candidato quer acabar com o método educacional, inovador e reconhecido internacionalmente, criado por Paulo Freire, o maior educador brasileiro.

Na prática, isso acabaria com o princípio constitucional da “liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber”. É uma ameaça ao futuro do nosso país, substituindo a consciência crítica pela alienação.

A ira do candidato é contra o brasileiro mais mais homenageado de todos os tempos em função da sua contribuição para a história da pedagogia. Freire recebeu 29 títulos de Doutor Honoris Causa por universidades da Europa e da América, e centenas de outras menções e prêmios.

Sua obra, “Pedagogia do Oprimido”, é o único livro brasileiro a aparecer na lista dos 100 títulos mais pedidos pelas universidades de língua inglesa. Além disso, Freire é o terceiro cientista brasileiro mais citado em trabalhos acadêmicos da área de humanas no mundo.

Ao se opor a Paulo Freire, o plano de governo e o candidato revelam que não querem cidadãos pensantes, livres, capazes de mudar a realidade, mas transformar o Brasil em uma nação subordinada a uma ideologia antidemocrática e opressora.

Em defesa da educação pública, de qualidade para todos(as) e para uma sociedade justa e igualitária, #elenão!