• 19 de maio de 2017

Nota sobre o PLS nº 116/2017, que trata da exoneração do servidor público por insuficiência de desempenho

Em 22 de abril de 2017, a senadora Maria do Carmo Alves (DEM-SE) apresentou o Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 116, que dispõe sobre a avaliação periódica dos servidores públicos da União, Estados, Distrito Federal e Municípios, e sobre a perda do cargo público por insuficiência de desempenho do servidor estável.

O projeto em questão visa regulamentar o inciso III do parágrafo 1º do art. 41 da Constituição Federal, todo ele reescrito pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998, também denominada de Reforma Administrativa, aprovada durante o governo neoliberal de Fernando Henrique Cardoso. Eis o que diz o referido artigo constitucional:

Art. 41. São estáveis após três anos de efetivo exercício os servidores nomeados para cargo de provimento efetivo em virtude de concurso público.
§ 1º O servidor público estável só perderá o cargo:
I – em virtude de sentença judicial transitada em julgado;
II – mediante processo administrativo em que lhe seja assegurada ampla defesa;
III – mediante procedimento de avaliação periódica de desempenho, na forma de lei complementar, assegurada ampla defesa. (Negrito nosso)

Para a CNTE, o PLS 116/17, que tramitará nas condições especiais para aprovação de Lei Complementar, é mais uma ação pragmática do golpe parlamentar/jurídico/midiático instalado no Brasil, que visa implantar políticas neoliberais de enxugamento do Estado e de priorização do pagamento da dívida.

Com a finalidade de alocar mais recursos do orçamento público para os rentistas da dívida, o governo ilegítimo já aprovou a Emenda Constitucional nº 95, que congelou os gastos sociais por 20 anos e suspendeu as vinculações constitucionais federais para a educação e a saúde pelo mesmo período, e, agora, tenta aprovar a reforma da Previdência com o claro objetivo de restringir direitos e de privatizar essa importante política pública.

O projeto para acabar com a estabilidade no serviço público, proposto por integrante da base aliada do governo golpista, é mais uma iniciativa para aprofundar o desmonte do Estado social brasileiro, em iminente processo de construção na última década.

As maiores vítimas dessa medida ultraliberal, além dos próprios servidores públicos – que engrossarão os já alarmantes índices de desemprego e que possuem a estabilidade como medida compensatória para a inexistência de FGTS, cabendo, portanto, resgatar neste debate os princípios e o histórico da legislação trabalhista ora também atacada pelo golpe – será a sociedade que passará a contar com menos serviços públicos gratuitos e de qualidade.

O governo golpista e seus aliados no Congresso, mais uma vez, assim como aconteceu no fim da década de 1990, elegem os servidores públicos como culpados da crise econômica e tentam confundir a sociedade com o discurso da ineficiência do servidor público. Dessa forma, escondem a verdadeira causa dos problemas de todas as áreas sociais no Brasil, que é o baixo investimento público para atender a 5ª maior população do planeta, estando atrás apenas de China, Índia, Estados Unidos e Indonésia.

A CNTE em conjunto com as demais representações de servidores públicos do Brasil atuará no Congresso para reverter os danos dessa proposta – requerendo seu arquivamento e, em último caso, enfatizando o caráter de aprimoramento profissional no processo de avaliação de desempenho, não dando margens a perseguições políticas e/ou individuais de avaliadores contra avaliados –, bem como aprofundará o debate com a sociedade a respeito da importância dos serviços públicos, dos servidores e de sua estabilidade para a melhor prestação dos serviços públicos num contexto de alternância permanente de patrões a cada eleição.

Brasília, 17 de maio de 2017
Diretoria Executiva da CNTE

Fonte: CNTE

Sai o edital para cadastro reserva de educador(a) PSS

Os interessados em se inscrever para participar do Processo Seletivo Simplificado (PSS) promovido pela Secretaria de Estado da Educação (Seed)…

Educador(a), já estão abertas as inscrições da edição 2017 do Programa de Formação da APP

Os(as) educadores(as) sindicalizados à APP têm até o dia 09 de junho para se inscreverem no Programa de Formação Política,…

Educadores(as) vão às ruas, a partir desta quinta-feira, contra Temer e a favor de eleições diretas

Diante dos acontecimentos que agravam a conjuntura política, a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e suas 50 entidades…
587Dias 16Horas 38Minutos 21Segundos

Eventos

Entre o período de 24/04 e 25/05 os Núcleos Sindicais da APP-Sindicato estarão realizando Assembleias Regionais Extraordinárias para eleger os delegados para o 15º Congresso da CUT.

Assembleia Estadual da APP-Sindicato

Data: 3 de junho de 2017

Horário: às 8h30

Local: em Cascavel

VII Conferência Estadual de Educação da APP-Sindicato

Data inicial: 28 de julho de 2017

Data final: 29 de julho de 2017

Local: em Curitiba

Nos dias 28 e 29 de julho do corrente, a APP-Sindicato organiza a VII Etapa Estadual da Conferência da Educação. Este é um momento de participação e apresentação de propostas para a melhoria da educação básica paranaense. Os(As) sindicalizados(as) que tenham interesse em participara da Etapa Estadual necessitam ser eleitos(as) delegados(as) na etapa regional que acontece entre maio e junho, nos Núcleos Sindicais da APP-Sindicato.