Homofobia deixou 445 mortos em 2017

A cada 20 horas um LGBT morre de forma violenta no país, revelam os dados do Grupo Gay da Bahia

Foto: APP-Sindicato

30 de novembro de 2017, quinta-feira à noite. Felipe Fernandes, fotógrafo de 22 anos, é agredido em um bar de Nova Friburgo, no Rio de Janeiro. Segundo ele, após esbarrar, sem querer, em um homem. A reação: um copo de vidro quebrado em seu rosto. O resultado: fratura no nariz, três pontos, sendo um perto do olho – sua ferramenta de trabalho – e muita indignação. Para o jovem, a justificativa de tamanha agressividade não está no esbarrão e, sim, na homofobia. “Hoje eu sou uma estatística por causa do ódio. Nunca vi tanto sangue na minha vida. O estado de choque é tão grande, às vezes você só entra em desespero. Foi o que aconteceu comigo. Pensei que fosse meu fim. Meu agressor quase me deixou cego”, contou.

Felizmente, Felipe está vivo para contar essa história. Mas, o mesmo não aconteceu com o Bruno, de 19 anos, o Gustavo, de apenas 17, e o militante Nô Pedrosa, de 77. Os três estão entre os 187 gays mortos por homofobia em 2017, segundo dados do Grupo Gay da Bahia (GGB), a mais antiga associação de defesa dos direitos humanos dos homossexuais no Brasil.

O estado que mais matou LGBTs foi São Paulo (59), seguido de Minas Gerais (43) e Bahia (35). Somando todas as vítimas, são 445 mortes. Trata-se do ano com o maior número desde o início da pesquisa, há 37 anos. Isso significa que a cada 20 horas um LGBT morreu de forma violenta por motivação homotransfóbica no país. O grupo formado pelas travestis aparece em segundo lugar nas estatísticas: 132 perderam a vida. Uma delas é Dandara dos Santos, agredida e assassinada no Ceará, estado que fica em 4º lugar no ranking. O caso se tornou um dos mais noticiados do ano pela brutalidade. A vítima chegou a ser colocada em um carrinho de mão após agressões com pedaços de madeira e chutes.

Recentemente, uma mãe postou nas redes sociais sua revolta com o beijo entre duas garotas em “Malhação”, da Rede Globo, e viralizou. Ela afirmou ter filhos menores de 13 anos e que ficou sem ação com a cena. Será que a reação é a mesma em relação aos dados acima? O que seria, de fato, mais difícil explicar para essas crianças?

O homem por trás das estatísticas

É  de seu apartamento na Tijuca, Zona Norte do Rio, que Eduardo Michels, de 62 anos, faz o levantamento do GGB. Formado em Ciências Jurídicas e Sociais pela UFRJ, ele se dedica há 10 anos ao estudo e à pesquisa sobre ataques a LGBTs no Brasil. Ao #Colabora, ele conta como chega aos números. “Nossa base é a mídia, e claro, as ONGs representativas de LGBTs que estão espalhadas no Brasil inteiro. Todas elas se comunicam. Minha rotina é: primeiramente eu vejo a imagem do acontecimento, depois começo a destrinchar a vida daquele personagem. Pelo perfil nas redes sociais, pesquiso os familiares, os amigos que conviviam com a vítima e vou construindo a partir da minha experiência de 40 anos de estudo. Às vezes, fico três dias analisando um perfil. Com essa bagagem e sensibilidade, fica mais fácil perceber se foi ataque homofóbico”, explica.

 objetivo do banco de dados para Eduardo é nobre e serve, acima de tudo, para abrir os olhos da sociedade. “São mortes que ficariam escondidas se não fossem as estatísticas. ‘Morreu de quê? Facada? Tiros?’. Mas e por trás disso? Ninguém vê! Então, abrimos a discussão social, tentamos promover e discutir a criação de leis que protejam essas pessoas, que é o nosso intuito. Espero que até antes da minha morte eu consiga ver alguma lei aprovada”, declara Michels, também criador do blog “Quem a Homofobia Matou Hoje”. O crime de homofobia não é reconhecido por lei no Brasil, sendo assim, os registros, que já são assombrosos, ainda estão longe de representar a realidade.

A maioria das vítimas (162) tem entre 19 e 30 anos. Vinte e seis mortos nem chegaram a completar 18. Apedrejamento, asfixia e espancamento estão entre algumas das causas. Acostumado a lidar, dia a dia, com os mais diversos casos, Eduardo diz que ainda se choca com a brutalidade dos crimes: “Um rapaz teve a cabeça cortada e os assassinos levaram seus olhos. A maioria das vítimas são garotos jovens e pobres. É um total desvalor da vida. Acham que ser homossexual é pecado, que ele deve ser banido da sociedade. É um ódio fascista que os homofóbicos têm e que descontam, infelizmente, nos LGBTs”.

Ódio esse que Eduardo também sentiu na própria pele, no ano passado. Ele conta que ouviu de antigos vizinhos que a vila onde morava “não é lugar de gay”. Segundo o militante, ele e o marido, Flavio Miceli, de 60 anos, foram espancados por cerca de 20 pessoas durante uma festa no local.

A dor de quem fica

Carlos Hestefânia, 38 anos, entrou para os dados levantados por Eduardo Michels. Ele é um dos 13 homens trans mortos em 2017 por motivação transfóbica. Carlos foi encontrado caído em uma poça de sangue, com os dois braços quebrados, apenas dois dentes na boca e com convulsões, devido a um traumatismo craniano. O crime aconteceu em Duque de Caxias, no Rio de Janeiro, em agosto. Três meses depois, Carlos morreu no hospital e deixou um filho de 7 anos.

O #Colabora conversou com a irmã de Carlos. Ainda abalada, Elen Santos, de 41 anos, está de malas prontas para o interior de São Paulo. “Não consigo mais viver no Rio. Não tive Natal, não tive Ano Novo. Tudo aqui me lembra ele. Eu perdi metade da minha alma”, se emociona. De acordo com a jornalista, o irmão passou a ser vítima de injúrias a partir do momento em que se assumiu como trans. Ela conta que Carlos chegou a ser impedido de entrar na sua antiga casa, em Jacarepaguá, Zona Oeste do Rio, algumas vezes por causa do preconceito e, por isso, decidiu se mudar para Duque de Caxias, onde também não encontrou paz.

“Recebi, de forma anônima, mensagens e ligações de vizinhos relatando as ofensas que ele sofreu. ‘O seu lugar não é aqui, aqui é lugar de família, não de aberrações’. Era isso que ele ouvia lá. As pessoas se incomodavam pelo simples fato dele ser um homem trans. Ficou bem claro para mim que a motivação foi essa”. Já no hospital, a irmã relata que Carlos revivia as agressões sofridas e sempre que sentia a presença de alguém do sexo masculino, se exaltava: “Ficava inquieto e não parava de repetir: ‘Estou cansado. Nunca fiz nada contra você. Eu não tenho raiva de você, não sou um monstro, sou um ser humano. Me solta’. Até o grito final, pedindo: ‘Socorro’”.

Os três principais suspeitos fugiram. “Quando meu irmão me contou que era trans, ele chorou muito e disse: ‘As pessoas não vão me aceitar, eu tenho medo de andar na rua’. Ele perdeu a vida por ele ser quem ele era, por querer ser respeitado desse jeito. E eu? Eu estou morrendo todos os dias. O coração bom dele foi o que o matou. E naquela poça de sangue, ficou metade do meu”, compartilha.

Como explicar o ódio?

Na busca por justiça, Elen conta com a ajuda de Maria Eduarda Aguiar, primeira advogada trans a conseguir a carteira da OAB com nome social. A profissional faz parte do ‘Grupo pela Vidda’, ONG que presta assessoria jurídica gratuita à comunidade LGBT. “Me sensibilizei muito com essa história. Mas fora essa, são vários os outros casos que recebo. Os mais comuns são agressões motivadas por homofobia e transfobia, além de injúrias e crimes de internet com motivação homofóbica”, detalha.

Maria Eduarda não tem dúvidas quando questionada sobre as motivações do aumento de crimes contra LGBTs no país. “Grupos de extrema direita provocam pânico social na internet criando fobias. Difamações contra LGBTs proeminentes são constantes. A ausência de leis específicas e o aumento de discursos de ódio com fins políticos e eleitoreiros também, a meu ver, são causadores desse aumento. Precisamos levar a discussão de gênero nas escolas para que ensinando nossos jovens possamos ter cidadãos mais humanizados“, acredita.

Para Eduardo Michels, do Grupo Gay da Bahia, a resposta vem também da propagação dos grupos religiosos mais extremistas na política e na sociedade. “O aumento dos casos está diretamente ligado ao crescimento das religiões evangélicas no Brasil, sobretudo as neopentecostais, juntamente com o avanço das bancadas religiosas no Congresso. As igrejas usam a homofobia com respaldo na visão de religião que eles têm e, assim, esses conflitos aumentam a homofobia social e cultural existente no Brasil. Já as bancadas religiosas, se utilizam da questão como cortina de fumaça, para encobrir a bandidagem e ganhar visibilidade na política. Eles se colocam como defensores da moral e dos bons costumes, quando na verdade é o contrário”, afirma.

“Toda essa polarização de esquerda e direita criou uma imagem que nós, LGBTs, queremos destruir o modelo de ‘vida hétero’, quando, na verdade, apenas lutamos para ter o direito de existir”, finaliza a advogada Maria Eduarda.

Fonte: Projeto Colabora