Governo quer demitir cerca de 3 mil educadores(as). Segunda eles(as) realizam ato em frente ao Palácio Iguaçu

Encontro vai pautar PSS da educação especial, perseguições e retirada de aulas extraordinárias

Foto: APP-Sindicato

A APP-Sindicato reúne na próxima segunda-feira(9) trabalhadores(as) da educação pública para debater e encaminhar ações visando reverter a decisão do governo estadual que desemprega quase três mil professores(as) e funcionários(as) PSS da educação especial, as perseguições políticas contra educadores(as) e também a mais recente iniciativa da Secretaria de Estado da Educação (Seed) que impede o acesso a aulas extraordinárias. O evento será em Curitiba, às 9h, na tenda montada em frente ao Palácio Iguaçu.

Para o Sindicato, a decisão da Seed que pode desempregar até o final deste mês de julho 2,1 mil professores(as) e 730 funcionários(as) contratados pelo regime PSS para atuar na educação especial é injusta e absurda. Segundo a secretaria de Finanças da APP-Sindicato, Walkiria Olegário Mazeto, o governo não informou aos(às) profissionais sobre essa possibilidade no momento da abertura das inscrições. A reivindicação é de que o contrato e o trabalho desses profissionais seja mantido.

Leia também
:: APP-Sindicato busca reverter decisão da Seed que desemprega quase 3 mil educadores(as)

O sindicato também tem lutado pela superação do período de perseguição política implantado na gestão do ex-governador Beto Richa (PSDB). Como forma de retaliar mobilizações em defesa da qualidade da educação pública, funcionários(as), professores(as) e diretores(as) de escola têm sido até afastados(as) de suas funções. Em muitos casos, processos administrativos e punições têm como base denúncias anônimas e sem provas. A APP-Sindicato cobra do governo a revogação desses atos e retomada da estabilidade na comunidade escolar.

Leia também
:: APP-Sindicato exige da Seed respostas para a campanha salarial

O outro assunto da reunião será a resolução do governo para impedir educadores(as) que tiraram licenças legais ou médicas de lecionar em aulas extraordinárias. De acordo com informações, a Seed adotou recentemente novas medidas, ampliando o alcance da punição. Há casos de professores(as) convocados este ano para substituir colegas e que agora também estão sendo excluídos(as) com base na decisão da Seed. Ações judiciais ingressadas pela APP-Sindicato têm obtido vitória contra o governo. Cada caso tem sido analisado para comprovar que a lógica da norma criada pelo governo, além de ilegal, quer obrigar os(as) profissionais a trabalhar doentes.

Leia também
:: APP-Sindicato ganha ações pela distribuição de aulas extraordinárias