Como o ensino a distância defendido por Bolsonaro prejudica os brasileiros?

Em proposta do PSL, crianças de seis anos deixariam de frequentar a escola; Haddad propõe ampliação do ensino presencial

Foto: EBC

Apesar de não especificar como faria para viabilizar a proposta, o candidato da extrema direita à presidência, Jair Bolsonaro (PSL), defende em seu plano de governo aplicar o método de educação a distância para crianças a partir dos seis anos de idade, para o ensino fundamental, médio e superior. Na prática, as crianças deixariam de frequentar a escola para aprender via internet.

O professor Raul Borges, que ministra história para alunos do ensino fundamental de escolas públicas dos municípios de Petrópolis e Rio de Janeiro, critica a proposta e avalia que prejudicaria especialmente as famílias de baixa renda.

“O ensino a distância é perverso porque coloca as famílias em uma espécie de orfandade do poder público. Isso em uma sociedade como a nossa, profundamente marcada pela desigualdade, pelo racismo, por todos os tipos de preconceito. É de uma violência tamanha”, diz.

A agricultora Maria Correia, moradora de Paranacity, município no norte do Paraná, é mãe de um menino de cinco anos e diz que a proposta de Bolsonaro prejudicaria não apenas a aprendizagem e socialização das crianças, mas também a rotina das famílias.

“Tiraria os pais do trabalho, porque precisariam acompanhar [a educação do filho]. Se duas pessoas trabalham para poder ter a renda da casa, uma teria que ficar em casa e se dedicar à criança e não poderia trabalhar”, diz.

Moradora de um assentamento da reforma agrária e integrante da Cooperativa de Produção Agropecuária Vitória (Copavi), Correia destaca que a medida prejudicaria ainda mais as mulheres que são tradicionalmente responsabilizadas pelas crianças.

Ela acrescenta que os agricultores que comercializam alimentos para as escolas também seriam prejudicados com a diminuição de aulas presenciais. A Copavil, por exemplo, distribui leite, iogurte, bolos e verduras para a merenda das escolas municipais e estaduais da região.

Andressa Pellanda, coordenadora de políticas educacionais da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, aponta que a educação a distância proposta pelo candidato não é apenas negativa, como também não é viável, já que o ensino a distância pressupõem o uso de internet.

“Boa parte das casas do Brasil não tem nem saneamento básico ou luz elétrica, então como pensar educação a distância que precisa de infraestrutura específica, sendo que não temos infraestruturas muito básicas?”, questiona.

Socialização e merenda – “A escola não é só um local de trabalhar os conteúdos, aprender e fazer provas. A escola é também um lugar de se relacionar, de aprender a viver em sociedade, de conseguir viver com o diferente, se relacionar com quem não tem os mesmos hábitos, culturas e origens que nós”, diz Pellanda.

Raul Borges concorda que o ensino presencial envolve elementos relacionados a troca de experiências e a convivência social. O professor também conta que a merenda é fundamental para vários estudantes.

“Os alunos do [turno] noturno chegam cedo porque precisam comer. Os alunos da manhã precisam comer antes de ir para casa e os da tarde precisam comer antes de assistir a aula. As vezes acontece de não ter comida propriamente, mas um biscoito ou um suco, e aquilo para o garoto é um problema sério porque ele contava com aquela comida. Às vezes a mãe – e falo a mãe porque tem muitos casos de pais ausentes – conta que a criança vai chegar em casa tendo almoçado na escola. Até porque muitas vezes essa criança quando chega, não encontra ninguém em casa, porque estão trabalhando”, relata.

Andressa Pellanda lembra que a escola é também um local onde a criança encontra serviços públicos que garantem direitos básicos.

“Quando a gente fala da merenda, por exemplo, [a escola] é o lugar onde a criança vai ter esse serviço do direito à alimentação adequada. Então, pela escola não passa só a educação do conteúdo, passa também todo esse lugar de proteção social da criança.”

Haddad propõe ampliação do ensino presencial

O candidato Fernando Haddad (PT) já se manifestou contrário a proposta de Bolsonaro de ampliar o ensino a distância. “É falta de compreensão do processo educativo”, disse em evento na capital paulista na última segunda-feira (15). “Quem sabe ele também não propõe resolver o problema da falta de vagas em creches criando educação a distância para a creche”, ironizou o petista.

Ex-ministro da educação e professor universitário, Haddad defende a educação como uma de suas prioridades. Em seu programa de governo, afirma que irá investir na ampliação de vagas de tempo integral, especialmente em regiões mais vulneráveis. “A meta é garantir que todas as crianças, adolescentes e jovens de 4 a 17 anos estejam na escola e que aprendam”, diz o texto.

O petista também se compromete a revogar a reforma do ensino médio, aprovada durante o governo de Michel Temer (MDB), que estabelece que parte da grade curricular seja ofertada na modalidade de ensino a distância.

Outras propostas do candidato estão relacionadas à valorização dos professores e à ampliação de investimentos na educação do campo, indígena e quilombola com construção de escolas e garantia de transporte e alimentação.

Fonte: Com informações de Brasil de Fato