Com pressão de servidores(as), Alep adia votação de reajuste para outros poderes

Categoria é chamada a participar da vigília no Centro Cívico para cobrar da governadora o pagamento da data-base

Atendendo pedido da APP-Sindicato e do Fórum das Entidades Sindicais (FES), a Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) retirou da pauta de votação desta segunda-feira (11) cinco projetos de lei que concedem reajuste para apenas uma parte dos servidores públicos do Estado. A reivindicação faz parte da pressão para que a governadora Cida Borghetti (PP) envie o reajuste aos(às) profissionais da educação e demais trabalhadores(as) do Poder Executivo.

Como parte da mobilização, um acampamento em frente ao Palácio Iguaçu foi montado na manhã de hoje. “Quero reforçar o convite para que os(as) servidores(as) da educação e demais categorias venham para o acampamento no Centro Cívico para que a gente possa continuar a nossa vigília e passar a mensagem de que é importante que o governo Cida Borghetti resolva essa pauta o quanto antes, em respeito aos servidores e a população do Paraná que precisa de serviços públicos de qualidade”, enfatizou o presidente da APP-Sindicato, professor Hermes Leão, sobre a importância da participação da categoria no acampamento.

As lideranças sindicais esclarecem que a mobilização não é contrária a data-base dos(as) trabalhadores(as) de outros poderes, mas de tratamento igual e de superação de um período de discriminação que está acontecendo no Paraná desde o governo Richa (PSDB). Somente os servidores do Executivo  – professores(as), funcionários(as) da educação, agentes penitenciários, servidores da saúde, policiais, entre outros da ativa e aposentados(as) – , estão com os salários congelados desde 2016, quando o governo Richa deixou de cumprir a lei e não pagou mais a reposição inflacionária. A dívida acumulada do Estado com o funcionalismo já está em quase 12%.

“Vamos continuar com a nossa vigília aguardando que a governadora envie de imediato a mensagem de lei com o reajuste, porque os estudos orçamentários já demonstraram que o governo tem todas as condições de pagar ao menos a inflação do último ano”, destacou o dirigente sindical. A categoria reivindica que o governo retome o pagamento da data-base e que o projeto seja votado junto com os de outros órgãos e instituições que já estão na Alep.

Os itens retirados da pauta de hoje concedem a reposição para o funcionalismo da Defensoria Pública, Ministério Público, Tribunal de Justiça, Tribunal de Contas e da Assembleia Legislativa. Segundo o presidente do Legislativo, as matérias só deverão ser pautadas novamente na próxima segunda-feira.

Leia mais
:: “Pagar a data-base depende de vontade política da governadora”, afirma FES